quinta-feira, 24 de outubro de 2013

PROJETO DE INFORMÁTICA –UNID.XI - ANTONIA 3º 4º e 5º ano. º A INFORMÁTICA EDUCATIVA COMO FERRAMENTA DE ENSINO, NA EDUCAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO O presente projeto focaliza o uso dos recursos tecnológicos na educação como ferramenta de ensino, nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, pois, sabemos que o contato com a inovação que a tecnologia proporciona, não é somente acesso aos meios, mas fundamentalmente, à informação de como utilizar esses meios para potencializar conhecimentos. O presente projeto tem por objetivo a necessidade atual de construir novas estratégias de criação e produção de novos saberes e práticas de ensino com a introdução dos recursos tecnológicos no cotidiano escolar adequado à realidade do contexto. Assim, são utilizados para o desenvolvimento dos trabalhos softwares, sites e programas adequados a cada Ano Escolar, com objetivos e metodologias também diferenciados. 3º Ano do Ensino Fundamental Objetivo: A informática terá como objetivo levar o aluno ao conhecimento dos recursos disponíveis da máquina, possibilitando assim, desenvolver a atenção, criatividade, percepção do uso correto da ortografia, acentuação, parágrafo e outros. Metodologia: Será de acordo com o planejamento do professor regente, utilização de softwares, sites e programas compatíveis com esse aprendizado, assim como, a utilização material didático, para digitação de pequenos textos criados e trabalhados em sala de aula, jogos pedagógicos, desenhos e pinturas. Organização de cartazes e murais com os trabalhos impressos. 4º Ano do Ensino Fundamental Objetivo: A informática terá como objetivo levar o aluno ao domínio dos recursos disponíveis na máquina, oportunizando assim sua autonomia e criatividade na realização das atividades propostas, levando-o a buscar alternativas que o impulsione a desenvolver suas potencialidades e conhecimentos. Metodologia: Será de acordo com o planejamento do professor regente, utilização se sites, softwares e programas compatíveis com esse aprendizado, assim como a utilização de material didático, para produção e digitação de textos, criados e trabalhados em sala de aula, trabalhos em grupo, pesquisas e jogos pedagógicos. Organização de murais e cartazes, com os trabalhos impressos., RESULTADOS Pode-se inferir que o uso do computador despertou um maior interesse por parte dos alunos, de acordo com suas falas e também na constatação por parte dos professores regentes, da melhora na aprendizagem, principalmente no que se refere a escrita ortográfica e na produção de textos. Com este projeto de ensino, busca-se construir novas estratégias de criação e produção de novos saberes e práticas de ensino, utilizando a informática no cotidiano da escola. Assim, conclui-se que o uso do computador possibilita integração ao trabalho didático e um maior interesse pelos conteúdos, pois os alunos se sentem mais motivados para criarem seus textos, pelas várias possibilidades de recursos que a máquina possui. Fato este que aumenta o interesse pela escrita, pela ortografia e desenvolve o raciocínio, a atenção, a percepção e a criatividade. Em função da enorme potencialidade para o desenvolvimento cognitivo dos educandos, os métodos de ensino terão de se adaptar a essa nova ferramenta auxiliar no processo de ensino/aprendizagem. BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, Maria Elizabeth. ProInfo - Informática e formação de professores. Brasília: Parma, 2000. BERTÓIA, Edy Maya. Plano Político Pedagógico. Santa Maria: E.M.E.F, 2007. FREIRE, Fernanda Maria Pereira e VALENTE, José Armando. Aprendendo para a vida: os computadores em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2001. FREIRE, Paulo e SHOR, Ira. Medo e Ousadia – O Cotidiano do Professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. LAPLATINE, F. Aprender Antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2003. MENEZES, Eliana da Costa Pereira de. Informática e Educação Inclusiva: discutindo limites e

domingo, 4 de novembro de 2012

Ministra: desempenho escolar é o melhor efeito do Bolsa Família O impacto no desempenho escolar das crianças cujas famílias recebem recursos por meio do Bolsa Família é o efeito mais surpreendente da implementação do programa, há nove anos. De acordo com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, essas crianças têm níveis maiores de aprovação e índices mais baixos de evasão escolar. Em entrevista nesta quinta-feira ao programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência em parceria com a EBC Serviços, a ministra destacou que, em 2010, enquanto 75% dos jovens da rede pública foram aprovados, a média de aprovação entre os jovens do Bolsa Família atingiu 80%. Além disso, a evasão de toda a rede escolar foi 11% e entre os estudantes incluídos no programa, 7%. "É a primeira vez na história que temos indicadores para a população pobre melhores do que para o conjunto da população. Esse é o elemento que mais temos que comemorar", disse. Segundo ela, os resultados em termos de educação mostram que "quando as famílias recebem os recursos do Bolsa Família se apegam à oportunidade", e os jovens se esforçam porque compreendem que o benefício depende de sua participação. Para receber o Bolsa Família, crianças e adolescentes entre 6 anos e 15 anos devem estar devidamente matriculados e cumprir frequência escolar mensal mínima de 85% da carga horária. Já os estudantes entre 16 anos e 17 anos devem ter frequência de, no mínimo, 75%. A ministra enfatizou que os resultados do Bolsa Família também ajudaram a provar que as famílias mais pobres sabem empregar os recursos que recebem para melhorar as condições de vida. Ela ressaltou que o programa não incentivou as famílias a deixar de trabalhar. "Todos os dados mostram que o emprego no Brasil cresceu exatamente nas regiões onde há mais beneficiários do Bolsa Família. O programa não só não gerou o efeito preguiça, mas também ajudou a dinamizar a economia nessas regiões", disse, ao acrescentar que os recursos são usados principalmente na compra de alimentos, medicamentos, vestuário, material de limpeza e de higiene, além de melhorias nas condições das moradias e em transporte. Ela também destacou que a média de filhos por família entre os beneficiários do programa é 2,01, muito próxima à nacional: 1,9. Durante o programa, Tereza Campello afirmou que os investimentos federais no programa, que este ano somam R$ 20 bilhões, representam 0,46% do Produto Interno Bruto (PIB) - soma de todas as riquezas produzidas no país. Para ela, o maior desafio para os próximos anos é identificar famílias que atendam aos critérios de inclusão, mas que ainda não recebem os recursos. "Queremos localizar essas famílias e para isso estamos em parceria com municípios, concessionárias de energia elétrica, entre outros", disse, ao enfatizar que a busca ativa servirá para incluir mais brasileiros em todos os programas do Brasil sem Miséria, por meio do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Lançado em 2003 e implantado em janeiro de 2004, o Programa Bolsa Família atende a 13,7 milhões de famílias brasileiras com renda mensal até R$ 140 por pessoa. Atualmente, o programa integra o Plano Brasil sem Miséria. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mais de metade (51,1%) dos beneficiados do Bolsa Família se concentra na Região Nordeste. Até o final de 2011, os estados com mais famílias assistidas eram Bahia (1,75 milhão), São Paulo (1,21 milhão), Minas Gerais (1,16 milhão), Pernambuco (1,12 milhão) e Ceará (1,08 milhão). Para receber os recursos do Bolsa Família, as famílias devem manter atualizado o cartão de vacinação e garantir o acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento das crianças menores de 7 anos, além de atender às exigências referentes à frequência escolar. Agência Brasil

sábado, 3 de novembro de 2012

UFRN: INCRIÇÕES ABERTAS PARA O "MEDIADORES DE LEITURA" RESSALTAMOS QUE ESSE CURSO INTEGRA O PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICAS, CUJA COORDENADORA INSTITUCIONAL É A PROFESSORA SANDRA BORBA. NO ÂMBITO DESTE GRANDE PROJETO INSTITUCIONAL, OU SEJA, O CONTÍNUO, ESTAMOS COORDENANDO O CURSO MEDIADORES DE LEITURA, O QUAL SE DESTINA A PROFESSORES EM SERVIÇO DAS SÉRIES INICIAIS E DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 5º. AO 9º. ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. SÃO 750 VAGAS, SENDO 500 EM NATAL, E 250 EM CURRAIS NOVOS. O CURSO SERÁ PRESENCIAL E A DISTÂNCIA. OS PARTICIPANTES RECEBERÃO TODO MATERIAL. A ELABORAÇÃO DO MATERIAL VEM SENDO TRABALHADA, DESDE AGOSTO/12. A PRIMEIRA AULA SERÁ NO DIA 17 DE NOVEMBRO/12, SOB A COORDENAÇÃO DO PROF. JOÃO GOMES DA SILVA NETO. Profa. Dra. Maria das Graças Soares Rodrigues

domingo, 28 de outubro de 2012

Há pessoas que transformam o sol numa simples mancha amarela, mas há aquelas que fazem de uma simples mancha amarela o próprio sol. Pablo Picasso

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A historia da internet


A internet e sua historia


Foi abordado a história da navegação da internet, foi no final dos anos 50 que surgiram os primeiros computadores para fins militar , no final da década de 60 teve inicio a expansão da internet, mais foi no final dos anos 70 que a internet se expandiu, daí em em diante a tecnologia foi só crescendo , hoje temos acesso a internet não só em computadores mais
em celular, tablet e em muitas outras ferramentas, a internet hoje é uma fonte de pesquisa, compras, correio eletrônico, trabalho enfim ela é uma ferramenta presente na vida de grande parte dos brasileiros.
A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria. Criada com objetivos militares, seria uma das formas das forças armadas norte-americanas de manter as comunicações em caso de ataques inimigos que destruíssem os meios convencionais de telecomunicações. Nas décadas de 1970 e 1980, além de ser utilizada para fins militares, a Internet também foi um importante meio de comunicação acadêmico. Estudantes e professores universitários, principalmente dos EUA, trocavam ideias, mensagens e descobertas pelas linhas da rede mundial.
Desenvolvimento da Internet 
Foi somente no ano de 1990 que a Internet começou a alcançar a população em geral. Neste ano, o engenheiro inglês Tim Bernes-Lee desenvolveu a World Wide Web, possibilitando a utilização de uma interface gráfica e a criação de sites mais dinâmicos e visualmente interessantes. A partir deste momento, a Internet cresceu em ritmo acelerado. Muitos dizem, que foi a maior criação tecnológica, depois da televisão na década de 1950.
A década de 1990 tornou-se a era de expansão da Internet. Para facilitar a navegação pela Internet, surgiram vários navegadores (browsers) como, por exemplo, o Internet Explorer da Microsoft e o Netscape Navigator. O surgimento acelerado de provedores de acesso e portais de serviços on line contribuíram para este crescimento. A Internet passou a ser utilizada por vários segmentos sociais. Os estudantes passaram a buscas informações para pesquisas escolares, enquanto jovens utilizavam para a pura diversão em sites de games. As salas de chat tornaram-se pontos de encontro para um bate-papo virtual a qualquer momento. Desempregados iniciaram a busca de empregos através de sites de agências de empregos ou enviando currículos por e-mail. As empresas descobriram na Internet um excelente caminho para melhorar seus lucros e as vendas on line dispararam, transformando a Internet em verdadeiros shopping centers virtuais.
Nos dias atuais, é impossível pensar no mundo sem a Internet. Ela tomou parte dos lares de pessoas do mundo todo. Estar conectado a rede mundial passou a ser uma necessidade de extrema importância. A Internet também está presente nas escolas, faculdades, empresas e diversos locais, possibilitando acesso as informações e notícias do mundo em apenas um click.